atos golpistas

PF faz buscas contra general da reserva por participação no 8 de janeiro; militar integrou gestão de Pazuello no Ministério da Saúde

Ridauto Fernandes também teve bens bloqueados por determinação do STF, no âmbito da Operação Lesa Pátria

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
General da reserva, Ridauto Lúcio Fernandes - Divulgação/Exército Brasileiro

A Polícia Federal (PF) cumpre, na manhã desta sexta-feira (29), um mandado de busca e apreensão contra o general da reserva Ridauto Lúcio Fernandes, em Brasília. Ele é acusado de participação nos atos golpistas que culminaram na invasão e depredação dos prédios dos Três Poderes, em 8 de janeiro

Continua após publicidade

Fernandes, que também teve ativos e valores bloqueados, foi diretor de Logística no Ministério da Saúde entre julho de 2021 e dezembro de 2022, durante a gestão general Eduardo Pazuello

:: Pesquisador avalia ligação de militares com o plano golpista: 'houve, no mínimo, prevaricação' ::

A 18ª fase da Operação Lesa Pátria foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e visa bolsonaristas que participaram efetivamente, financiaram e foram os autores intelectuais dos atos. Fernandes é considerado, na investigação, executor e possivelmente um dos idealizadores dos atos.  

Os golpistas são acusados dos seguintes crimes: tentativa de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime e destruição de bem especialmente protegido. De acordo com a PF, estima-se que os prejuízos causados nos prédios públicos pelos golpistas possam chegar na ordem de R$ 40 milhões. 

:: Mauro Cid disse à PF que Bolsonaro consultou militares sobre plano de nova eleição e prisão de adversários ::

A PF também informou que “as investigações continuam em curso, e a Operação Lesa Pátria se torna permanente, com atualizações periódicas acerca do número de mandados judiciais expedidos, pessoas capturadas e foragidas”. 

Edição: Geisa Marques