SOBERANIA

Ato de trabalhadores, sindicatos e movimentos populares marca aniversário de 70 anos da Petrobras no RJ

Entre as reivindicações, defesa da soberania da estatal se somou à pauta da reversão da privatização da Eletrobras

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
petrobras rio
Ato teve início em frente à sede da Eletrobras e terminou na Petrobras, na Avenida Chile, no centro do Rio de Janeiro (RJ) - Elineudo Meira

Trabalhadores e trabalhadoras, federações sindicais e movimentos populares marcharam na região central do Rio de Janeiro (RJ) em um ato pelos 70 anos de existência da Petrobras. A mobilização, realizada nesta terça-feira (3), teve início em frente à sede da Eletrobras, privatizada durante o governo de Jair Bolsonaro (PL) e se encerrou em frente à Petrobras, na Avenida Chile, no centro.

Continua após publicidade

Entre as principais pautas e as reivindicações levantadas estão a reversão das privatizações, a defesa das estatais, do serviço público e de um projeto de desenvolvimento nacional, social e ambiental com participação popular.

:: Aos 70 anos, Petrobras busca retomar a grandeza perdida ::

A manifestação dos petroleiros ocorreu em algumas capitais brasileiras e teve a organização da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).

Coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar disse que o ato é muito mais que a comemoração dos 70 anos da Petrobras, ele representa um retorno ás ruas em defesa da soberania nacional, energética, alimentar e a preservação das empresas públicas e estatais com serviço de qualidade para a população.

“Construímos e realizamos um ato histórico, que simboliza a retomada das ruas nesse governo do presidente de Lula, porque a gente precisa cumprir o nosso papel de sindicatos e de movimentos sociais, pressionando o governo à esquerda para que o seu programa, que foi aprovado pela população nas urnas, seja colocado em prática”, afirmou Bacelar.

Para o secretário geral da FNP, Adaedson Costa, lembrou de um ato dos petroleiros e de trabalhadores de outras categorias no momento de maior ameaça do serviço público e da soberania nacional pelas tentativas de privatização no governo Bolsonaro.

"Pouco antes da pandemia, estivemos aqui nesse mesmo local, fazendo um ato gigantesco e naquele momento, a Petrobras, as estatais e o serviço público estavam sob pleno ataque do bolsonarismo. Foi a luta conjunta da classe trabalhadora que nos fez vencer o fascismo. Mas isso só não resolve. Os seis anos de desmonte nos deixaram muita destruição e agora temos que reconstruir as nossas estatais, os serviços públicos e os direitos dos trabalhadores”, defendeu ele.

Representando os movimentos que integram a Via Campesina, Eró Silva, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), reforçou que as lutas pela reestatização da Eletrobrás e pela reconstrução da Petrobras são lutas que caminham junto com as lutas pela reforma agrária e pela soberania alimentar.

"Para construirmos uma sociedade justa e igualitária, para combater a fome nesse país, precisamos garantir o acesso da população a alimentos saudáveis. E essas duas empresas são fundamentais não só para nós que somos lá do campo, mas também para nós que temos a agricultura urbana na cidade, nessa construção de combate à fome no nosso país", disse.

:: Petrobras anuncia investimento, mas petroleiros reivindicam reestatização de refinaria ::

O deputado estadual e presidente do Psol-RJ, Flávio Serafini, também lembrou o passado recente, o golpe contra a presidente Dilma Rousseff (PT) e sustentou que a soberania continua sendo ameaçada por governantes, como o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), que não destina os recursos necessários para áreas fundamentais.

"Há pouco mais de seis anos, o Brasil sofreu um golpe e boa parte desse golpe tem a ver com a tentativa de roubarem as riquezas do povo brasileiro, essa riqueza tem a ver com o próprio papel da Petrobras, com a descoberta do pré-sal. É importante que nesse momento de reconstrução democrática estejamos nas ruas para cobrar também a revisão da privatização da Eletrobras, o processo de desmonte da Petrobras e a aplicação das leis que preveem que o dinheiro do pré-sal chegue à saúde e à educação", frisou o parlamentar.

Além das federações, o ato teve a participação de centrais sindicais, entidades que integram a Plataforma Operária e Camponesa da Água e Energia, a Frente Brasil Popular, a Articulação de Redes, os Comitês Populares e mais de 30 outras organizações sociais, entidades de classe e partidos políticos do campo da progressista.

*Com informações da FUP

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda