Mais um impeachment?

Presidenta do Peru é alvo de busca e apreensão por omitir posse de relógios de luxo

Dina Boluarte também é investigada por movimentação de US$ 300 mil de origem desconhecida nas suas contas

Brasil de Fato | Caracas (Venezuela) |

Ouça o áudio:

Dina Boluarte tomou posse em dezembro de 2022, depois da tentativa de autogolpe por parte do ex-presidente Pedro Castillo - JOSH EDELSON / AFP

O Ministério Público do Peru e a Divisão de Investigação de delitos de Alta Complexidade (Diviac) fizeram uma operação de busca e apreensão na casa da presidente do Peru, Dina Boluarte, em Lima, neste sábado (30). Ela é alvo de investigação de enriquecimento ilícito e omissão na declaração de relógios de luxo.

Continua após publicidade

O caso veio à tona depois da publicação de uma reportagem do portal La Encerrona. O texto afirmava que a presidente peruana, de centro esquerda, tinha mais de US$ 40 mil (mais de R$ 200 mil) em relógios da marca Rolex. A reportagem analisou fotos de Boluarte em eventos com as joias para afirmar que ela possivelmente teria mais de uma dezena de relógios de luxo.

Continua após publicidade

Em resposta, Boluarte afirmou que o que ela tem é fruto do trabalho que faz desde os 18 anos de idade e questionou: “Desde quando uma parte da imprensa se preocupa com o que usa e o que não usa uma presidente? Espero e quero acreditar que isso não seja uma questão sexista”. 

Continua após publicidade

Segundo a BBC, também foi identificada uma movimentação de US$ 300 mil (mais de R$ 1,5 milhão) em depósitos de origem desconhecida nas contas pessoais de Dina Boluarte antes de ela tomar posse em dezembro de 2022.

Continua após publicidade

A ação da polícia foi criticada pela presidente. Ela chamou a medida de “surpreendente, arbitrária e abusiva”. O advogado de defesa de Boluarte, Joseph Campos, afirmou que as ações do Ministério Público foram “absolutamente inconstitucionais”. Os policiais entraram à força na casa da presidente e vasculharam também o Palácio do Governo. 

A presidenta do Peru já tinha uma audiência marcada sobre o caso para 5 de abril, mas ela pediu à à Procuradoria-Geral da República que o depoimento seja adiantado devido ao andamento das investigações. 

No sábado, o partido Peru Livre apresentou ao Congresso pedido de destituição da presidente que será analisado nesta semana. O texto recebeu a assinatura de 26 congressistas do Peru Livre e outras siglas de esquerda. Boluarte disse que “não teme” por isso e lembrou que essa é a 2ª moção que ela enfrentaria desde o início do mandato em dezembro de 2022.

Para derrubar um presidente no Peru, o processo de impeachment precisa receber ao menos 87 votos favoráveis dos 130 congressistas. 

O outro processo de impeachment apresentado contra Boluarte foi rejeitado pelo Congresso do país. O pedido de cassação do mandato de Dina Boluarte pretendia responsabilizar a mandatária pelas 72 mortes registradas durante os protestos que ocorreram no final de 2022 e início de 2023.

Posse de Boluarte

A atual presidente do Peru assumiu em dezembro de 2022, depois da tentativa de autogolpe por parte de Pedro Castillo. Ele enfrentava o 3º processo de impeachment e perdeu o cargo depois de ordenar a dissolução do congresso e convocar novas eleições. Castillo foi preso depois de deixar a presidência.

A nova presidente enfrentou uma série de protestos no país, contrários à saída de Castillo. Movimentos populares defenderam a antecipação das eleições, mas o Congresso peruano decidiu rejeitar um projeto de lei que anteciparia a escolha de um novo presidente pelo voto popular para 2023. 

Para combater os movimentos, a presidente emitiu um decreto que limitava as liberdades individuais e colocou a polícia na rua para reprimir os manifestantes. Ao menos 72 pessoas morreram nos atos. O mandato de Dina Boluarte é válido até 2026.

Edição: Rodrigo Durão Coelho