golpe

Bolívia: Indígenas marcham até La Paz carregando caixões de mortos pela repressão

Oito pessoas foram mortas na terça-feira (19) pela polícia durante protesto contra o golpe de Estado no país

Ouça o áudio:

"Vamos descer vestidos de preto e vamos caminhar com nossos mortos", disse um dos dirigentes do movimento / Foto: Aizar Raldes/AFP

Indígenas da cidade boliviana de El Alto decidiram iniciar nesta quinta-feira (21/11) uma marcha até La Paz para protestar contra o governo de Jeanine Áñez e as mortes causadas pela repressão policial que ocorreu no início da semana. 

Os manifestantes ainda decidiram levar os caixões dos oito mortos até a cidade sede do governo boliviano como sinal de protesto.

"Todos os distritos da cidade de El Alto entramos em acordo, junto com os irmãos que chegaram de Potosí, todos sem exceção […] vamos descer vestidos de preto e vamos caminhar com nossos mortos para que a imprensa internacional e nacional atente que este governo matou nossos irmãos", disse um dos dirigentes do movimento.

::"Se tenho algum pecado é ser indígena", afirma Evo Morales ao desembarcar no México::

Uma das principais reivindicações da marcha também é a renúncia da presidente Jeanine Áñez, que assumiu o governo após o golpe de Estado que forçou o ex-mandatário Evo Morales a renunciar.

"Convocamos El Alto a uma mobilização a partir de hoje e um bloqueio de todas as ruas para que a cidade sinta o que nós sentimos com a morte de nossos companheiros", disse um dos membros da marcha.

::Bolívia: Em cinco dias, golpistas aprofundam violência e elevam número de mortos a 24::

 

Golpe que levou à renúncia do presidente Evo Morales já dura 11 dias (Foto: Aizar Raldes/AFP)

Repressão

Manifestantes que se encontravam ao redor da refinaria Senkata, em El Alto, foram reprimidos nesta terça-feira (19/11) com violência por militares e policiais, que agiam sob ordens do governo autoproclamado de Jeanine Áñez. O bloqueio impedia a saída de combustíveis em direção à capital boliviana. Oito pessoas morreram.

Segundo um dos manifestantes, um contingente da polícia, junto com helicópteros militares, chegou ao local e lançou bombas de gás lacrimogêneo, além de disparar tiros nos que estavam na frente da planta. 

Edição: Opera Mundi