ATAQUE A PALESTINOS

Israel invade maior hospital da Faixa de Gaza e OMS declara profunda preocupação

Militares israelenses dizem que unidade de saúde é usada por membros do Hamas, que nega acusação

Brasil de Fato | Curitiba (PR) |

Ouça o áudio:

Membros da forças armadas de Israel invadem maior hospital de Gaza em ação militar - Forças de Defesa de Israel/AFP

As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês), informaram na noite de terça-feira (14) que invadiram o Hospital Al-Shifa, o maior da Faixa de Gaza. Segundo Israel, o Hamas usa o hospital com fins militares. O Hamas nega acusação.

Continua após publicidade

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom, declarou na manhã desta quarta-feira (15) estar "profundamente preocupado" com a ação de Israel. Em postagem no X, antigo Twitter, disse ter perdido contato com a equipe de saúde do hospital. Disse estar preocupado com a saúde dos pacientes do local.

A IDF, por sua vez, declarou também em postagem no X, que sua operação no hospital conta com times médicos e com pessoas que falam árabe preparados para atuar no local e não causar danos a civis.

:: 'Estávamos esperando a morte em Gaza': uma conversa com dois palestinos repatriados de Gaza ::

Israel disse que seu alvo é uma área específica do hospital. Declarou também que alertou autoridades palestinas sobre a invasão horas antes.

O chefe humanitário da Organização das Nações Unidas (ONU), Martin Griffiths, se disse chocado com a invasão militar de Israel ao hospital. Pediu proteção a recém-nascidos, pacientes e equipe médica. "Hospitais não são campos de batalha", resumiu.

Guerra

Israel declarou guerra contra o Hamas após o grupo islâmico deflagrar, há um mês, o mais ousado ataque contra o território israelense em décadas, atingindo civis e militares, por terra e ar.

:: Lula endureceu discurso e subiu o tom contra Israel ao longo de quase 40 dias de conflito no Oriente Médio; veja histórico de declarações ::

A ofensiva do Hamas provocou uma severa reação militar de Israel, que passou a bombardear ininterruptamente a Faixa de Gaza – um estreito pedaço de terra de 41 quilômetros de comprimento por 10 quilômetros de largura, banhada pelo Mar Mediterrâneo, onde vivem cerca de 2,2 milhões de palestinos.

Israel vem sendo acusado de atacar deliberadamente ambulância e hospitais de Gaza. Suas forças armadas dizem que isso acontece porque o Hamas usa unidades de saúde e civis palestinos como escudos humanos. O Hamas nega.

Edição: Nicolau Soares