Guerra na Palestina

Segundo comboio com ajuda humanitária cruza a fronteira de Gaza com mantimentos insuficientes

Forças israelenses, no entanto, seguem com intensos bombardeios na região

Brasil de Fato | Recife (PE) |
Comboio humanitário chega à Faixa de Gaza
Comboio humanitário, com 20 caminhões, chega à Faixa de Gaza no sábado (21) - Mohammed ABED / AFP

O segundo comboio com ajuda humanitária cruzou, neste domingo (22), a passagem de Rafah para levar mantimentos para a Faixa de Gaza.

Continua após publicidade

Esta segunda leva conta com 17 caminhões, que estão transportando alimentos, água, suprimentos de primeiros socorros e medicamentos. Não houve autorização para a entrada de combustíveis, o que seria crucial para o funcionamento dos hospitais.

O primeiro comboio cruzou a fronteira neste sábado (21), com 20 caminhões. Eles transportavam água, medicamentos e alimentos.

:: Apenas 20 caminhões chegam em Gaza na primeira abertura da fronteira com Egito para ajuda humanitária ::

A ajuda, no entanto, vem abaixo do necessário. Segundo cálculos da Organização das Nações Unidas (ONU), revelados pelo portal UOL, os comboios precisariam ser multiplicados por cinco e realizados todos os dias, para conseguir dar conta da demanda dos palestinos.

A ONU alertou que a média dos itens que ingressaram na região equivale a apenas 4% do que era importado antes do conflito. Há ainda, aproximadamente, 100 caminhões aguardando autorização para cruzar a fronteira com mais mantimentos.

:: Lula diz que resposta de Israel a 'ato de terrorismo' do Hamas é 'insana': 'Crianças não têm culpa' ::

Ainda segundo este documento da ONU, pelo menos 42% das residências em Gaza foram destruídas desde o início do conflito. A estimativa é de que 1,4 milhão de pessoas fizeram deslocamentos internos forçados, para fugir da guerra.

Diante do quadro precário, há registro de proliferação de doenças, como catapora e sarna. As pessoas estariam consumindo água salgada, sem o tratamento adequado.

Desde o início do confronto, quando o Hamas atingiu território israelense no sábado (7), as forças israelenses cercaram a Faixa de Gaza e impediram o fornecimento de combustíveis, alimentos e água para os civis, sufocando os palestinos.

:: Desespero em Gaza: população tenta se proteger após ultimato de Israel ::

Bombardeios

O conflito entrou no 15º dia, com mais de seis mil mortos. Em Gaza, são mais de quatro mil mortes, segundo o Ministério da Saúde palestino – 40% das vítimas são crianças.

Na madrugada deste domingo (22), Israel intensificou os bombardeios na Faixa de Gaza, deixando 50 pessoas mortas. Apesar de ter anunciado que concentraria as ações ao norte, as forças israelenses também atingiram a região sul, onde estão os brasileiros que aguardam a autorização para sair de Gaza pela fronteira com o Egito, por meio de Rafah.

:: Ataque de Israel atinge igreja ortodoxa em Gaza onde famílias se refugiavam e causa 18 mortes, segundo autoridades palestinas ::

Neste sábado (21), Israel bombardeou uma mesquita na Cisjordânia. Segundo autoridades palestinas, uma pessoa morreu e outras três ficaram feridas. Israel diz que o espaço era utilizado por integrantes do Hamas.

Edição: Nicolau Soares