Barragem de Atalho

Tubulação de barragem rompe e mata três trabalhadores em Brejo Santo (CE)

Este é o segundo acidente no Ceará em barragens que compõem o eixo norte da transposição do rio São Francisco

Brasil de Fato | Fortaleza (CE) |

Ouça o áudio:

Em menos de um ano, este é o segundo acidente envolvendo barragens da transposição do Rio São Francisco no Ceará - Marcello Casal Jr Agência Brasil

Uma tubulação se rompeu na Barragem de Atalho, no município de Brejo Santo, no Ceará, nesta segunda-feira (8). O acidente matou três trabalhadores que realizavam testes no sistema da barragem, e um está em estado grave. Ao todo, 20 pessoas trabalhavam no local no momento do acidente.

Continua após publicidade

Segundo nota oficial do Ministério do Desenvolvimento Rural (MDR), as causas do acidente ainda estão sendo apuradas.

Continua após publicidade

Localizada no sul do Ceará, a barragem é a segunda que recebe as águas da transposição do rio São Francisco no estado — a primeira a receber foi a barragem de Jatí, que em agosto de 2020 teve um duto rompido, desalojando 2 mil pessoas que residiam no entorno da instalação.

Continua após publicidade

Em dezembro de 2020: Famílias denunciam falhas em barragens e insegurança em ato realizado em Brejo Santo 

Continua após publicidade

Famílias com medo constante

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) tem acompanhado a situação das famílias que vivem nas proximidades das barragens no Ceará. Samuel Oliveira, dirigente estadual do movimento, relata que as famílias que moram abaixo das grandes barragens vivem com constante medo e sem informações. “Elas vivem com um constante terror que essas bombas armadas sobre suas cabeças possam vir a romper e não há nenhum acompanhamento por parte dos responsáveis desses barramentos”. 

Segundo Samuel, os estudos sobre o impacto do rompimento do duto da barragem de Jataí ainda não foram apresentados às famílias atingidas. “No caso [da região] do Cariri cearense [no sul do estado], em que o principal responsável é o governo federal, através do MDR, não se tem nenhuma informação para as famílias que estão sendo atingidas”, afirma.

Em nota, o MAB afirma que vem denunciando vazamentos em várias barragens. Uma delas seria a barragem de Boi 1, no município de Brejo Santo, onde foi necessário cavar 32 poços artesianos para conter a pressão da água, mesmo ela operando com apenas 6% da sua capacidade.

Na Paraíba: Deputados pedem esclarecimento sobre suspensão da água da transposição para a Paraíba

Relatos de moradores

Murilo Fernandes, agricultor e morador de uma comunidade que fica abaixo da barragem Boi 1, relata que a população sente como se vivesse ao lado de uma dinamite prestes a explodir.

“Minha filha, quando ficou sabendo nas redes sociais [do caso na Barragem de Atalho], pegou um monte de roupa, de sapatos, colocou em umas mochilas e disse que ia embora, que não tinha como ficar mais naquele lugar”, afirmou.

A comunidade e o MAB vêm cobrando ao MDR uma visita à comunidade para que suas demandas sejam escutadas, mas não tem tido retorno do ministério. “A gente vem tentando que o MDR venha às nossas comunidades para saber da gente o que realmente estamos sentindo e precisando, mas até agora não tivemos nenhum resultado”, afirmou Fernandes.

:: Confira o especial do Brasil de Fato: Margens do Velho Chico ::

Consórcio de empresas

O consórcio operador da transposição do rio São Francisco é formado pelas empresas Ecoplan Engenharia Ltda e pela Skill Engenharia Ltda e está sob coordenação da Secretaria Nacional de Segurança Hídrica, órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Regional.

:: Em visita ao Ceará, faixas "Fora, Bolsonaro" recepcionam presidente ::

Fonte: BdF Ceará

Edição: Monyse Ravena e Camila Maciel